Vamos começar a resenha com um tom diferente: com tantos problemas acontecendo ao mesmo tempo, já estava desacreditado de poder assistir ao último filme do espião mais famoso do mundo. Após o excelente Skyfall, ficam altas expectativas para o último lançamento e, com as mudanças que foram vista no anterior, começou a dar uma girada no mundo de Bond, James Bond.
James Bond (Daniel Craig) vai à Cidade do México com a tarefa de eliminar Marco Sciarra (Alessandro Cremona), sem que seu chefe, M (Ralph Fiennes), tenha conhecimento. Isto faz com que Bond seja suspenso temporariamente de suas atividades e que Q (Ben Whishaw) instale em seu sangue um localizador, que permite que o governo britânico saiba sempre em que parte do planeta ele está. Apesar disto, Bond conta com a ajuda de seus colegas na organização para que possa prosseguir em sua investigação pessoal sobre a misteriosa organização chamada Spectre.
Com uma cena de abertura correndo pelo Novo México durante os festivos do Dia dos Mortos, Bond vai a caça de Marco Sciarra e causa um grande estrago, para evitar um em escalas gigantescas com a explosão de um estádio de futebol lotado. Por ter agido na surdina, sem permissão da MI6 irritando muito a M. O serviço secreto britânico passa por um momento histórico, fundindo-se a inteligência para que ambas possam ganhar.

Essa fusão pede o fim da Divisão 00 pois de acorod com C, drones podem fazer melhor o serviço do que o método pré-histórico de colocar um agente em campo. Como resultado, Bond perde suas funções por tempo indeterminado, mas mesmo assim, James não para e pegando os novos brinquedos que seriam para 009 e agora sendo rastreado em tempo real, parte para terminar a última missão que a M deixou para ele.

Bond acaba descobrindo uma nova organização e como ela se funde com suas investigação até descobrir que a Spectre e a nova forma de segurança global estão andando lado a lado, além do seu passado ser interligado: Le Chiffre, Silva, Mr. White. Mais do que apenas vilões retornando ao seu caminho, o seu passado mais uma vez o persegue e agora pode ser a última missão de 007.

O novo filme permitiu-se usar um pouco mais de humor e ação um pouco fora do tradicional da série, mas comum com o Bond de Craig que é a personificação da violência. Um dos vilões em seu caminho foge da regra, e sendo extremamente forte, traz um novo desafio a resistência do agente.

O final do filme deixa em aberto boas novas possibilidades para a vida de James Bond e poderemos ter mais algum filme com Craig ou os novos rumos vão juntos com um novo ator assumindo o personagem. Em caso de troca fica um fato: o novo Bond precisará deixar uma marca para seguir. Foi difícil para Craig tirar Pierce Brosnan da cabeça de muitos, e ele chegou a esse patamar hoje.



Elenco: Daniel Craig, Christoph Waltz, Léa Seydoux
Direção: Sam Mendes
Gênero: Ação
Duração: 148 min.
Distribuidora: Columbia Tristar
Classificação: 14 Anos

Sobre Wakashimazu

Gamer de nascimento, guitarrista por insistência, se divide em três para dar conta de dominar o mundo da música, dos jogos e dos otakus, enquanto lida com a caixinha de surpresas chamada de vida. Pode ser encontrado no Last FM, na Live ou no fórum!

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários :

Postar um comentário

Deixe seu recado! Mas lembre que spams, ofensas e comentários anônimos não serão aprovados.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.