Nesta terça-feira completamos 10 anos do anúncio de Half-Life 2: Episode 3


Gamers da casa dos vinte poucos anos conhecem uma série de histórias. Das mais tristes sem dúvida são as longas esperas que nós temos que encarar: 12 anos até o lançamento dos remakes da terceira geração de Pokémon, ou os 15 anos que os fãs de Shenmue precisaram viver para ver o anúncio do terceiro game. E enquanto a SEGA não sabe contar até quatro e cancelou um Streets of Rage mega promissor, a Valve ainda só contar até dois, pois vão-se dez anos do anúncio de Half-Life 2: Episode 3, aka Half-Life 3. Lançamento? Risos tristes.

A história

(Veja Gabe Newell dizendo nada sobre coisa nenhuma)

O terceiro giro de aventuras de Gordon Freeman foi anunciado no dia 24 de maio de 2006, com lançamento suposto para 2007. Só que no meio do caminho apareceram pedras, e as pedras no meio do caminho fizeram a Valve engavetar o projeto sabe-se Deus porquê. A empresa parecia bem feliz de falar sobre o game e o quão incrível ele seria, mas a medida que a janela de lançamento nas festas de 2007 foi chegando, o adiamento tornou-se evidente. A Valve ainda falava sobre Half-Life 3, mas agora como um projeto para o futuro, sem lançamento previsto.

Passada a data de lançamento, que ficou sem lançamento, a Valve tornou-se ainda mais vaga nas respostas de quando o game veria a luz do dia. Ou se ele veria.

A morte horrível?

(A criatividade e a maldade da internet, juntas)

A novela Half-Life 3 durou até 2009 quando o game foi deixado de lado por completo. Perguntas sobre ele passaram a ser respondidas com a declaração padrão de que a companhia não vai comentar sobre os jogos até ter algo a dizer. E parece que a Valve ainda não tem nada a dizer mesmo, pois o projeto ganhou teias, poeira e esquecimento, e hoje em dia é bem difícil com pitadas de impossível de crer que o jogo tenha qualquer status favorável a ter sobrevivido, quiçá ser lançado. Tristeza para os fãs, alegria para a internet que criou o #HalfLife3Confirmed.

E mesmo que/se o game se tornasse realidade, é um mega ponto de interrogação imaginar que ele teria o mesmo feel dos anteriores por um motivo: Mac Laidlaw, que escreveu todos os games de Half-Life até agora deixou a Valve no começo de 2016. A troca de escritores é possível, claro, mas sempre que o(a) responsável por criar a mágica de algo, sai, a nuvem negra do "não fazer jus" chove com mais força.

A vida sem Half-Life 3


Com a morte da esperança (Nando Reis curtiu isto), o último episódio obviamente foi Half-Life 2: Episode Two. Lançado em 2007 para PC, PS3, Xbox 360, Mac e Linux, o game veio acompanhado de outros dois títulos que tornariam-se hits: o FPS Team Fortress 2 e o quebra-cabeças Portal, formando junto com o Episode One e o original Half-Life 2 a compilação The Orange Box. Na trama, Gordon e Alyx começam onde o Episode Two termina: no trem em direção a White Forest, aonde se localiza a principal base da resistência humana, em meio a um cenário de destruição e tempestades de portais.

Para quem não conhece ou não lembra do game, segue o trailer:


Já correndo por fora tivemos outros dois games:

Half Life: Source


Em 2004 a Valve lançou Half-Life: Source, uma conversão do game original usando a engine Source. Sem conteúdos novos, o game tira proveito dos shaders de pixels para efeitos de água mais realísticos, mapas de luz dinâmicos melhorados, mapas de vértices, física realista em personagens e um sistema de mapa de sombras com texturas especulares, mapas normais mais limpos e de mais alta resolução, utilização de texturas com sombras suaves produzidas por renderização, e a substituição dos céus antigos pré-renderizados em 16 bits por versões 3D.

Veja o vídeo comparando os gráficos:


Black Mesa


Com o lançamento de Half-Life 2 em 2004, a Valve passou a re-lançar os games anteriores fazendo a conversão deles para a engine Source, incluindo o já citado Half-Life: Source. Entretanto, o game foi recebido de forma dividida, e eis que surgiu outra conversão: Black Mesa: Source, ou simplesmente Black Mesa.

O desenvolvimento começou como a combinação de dois projetos independentes, ambos com o objetivo de recriar o Half-Life original usando a engine Source. Primeiro a modificação (mod) Leakfree foi anunciada em setembro de 2004, e um mês depois foi anunciado Half Life: Source Overhaul Project. Ao perceberem as ideias parecidas, os líderes dos dois times somaram forças e formaram uma equipe de 13 pessoas sob o nome de Black Mesa: Source. O nome "Source" foi abandonado eventualmente a pedido da Valve, para evitar confusão sobre ser ou não um produto oficial.

Com isso o time se transforma em um grupo de 40 level designers, programadores, modeladores, artistas de texturas, animadores, engenheiros de som, dubladores e equipe de apoio voluntários. A missão é tornar Black Mesa similar ao Half-Life original em termos de gameplay e história, mas tirar maior proveito dos recursos avançados da engine Source. Mudanças na história não divergem ou alteram a história da série Half-Life, enquanto os level designers encurtaram ou mudaram cercas áreas do game que não tinham nenhum sentido, ou eram tediosas no original. Os mapas aumentaram em escala.

Black mesa foi lançado como download independente em setembro de 2012, até que a votação através do programa Steam Greenlight levou ao lançamento via Steam em 2015, tornando o produto não-oficial da Valve, num produto meio oficial da Valve.

Vamos de trailer:


Half-Life e Counter Strike


Sim, amigos e amigas da Rede Globo, Counter-Strike é da Valve! (para quem não sabia) E mais do que isso: Counter-Strike começou como uma modificação de Half-Life. Minh "Gooseman" Le e Jess "Cliffe" Cliffe começaram o projeto em 1999, sendo depois contratados e a propriedade intelectual do jogo, adquirida. A Valve então lançou Half-Life: Counter-Strike em 2000 para PC, sendo o pontapé inicial da franquia Counter-Strike.

Vieram então o spin-off singleplayer Counter-Strike: Condition Zero (2004), que usa a engine GoldSrc, Counter-Strike: Source (2004) e Counter-Strike: Global Offensive (2012), ambos usando a engine Source. Então sim, galera, Gordon Freeman é o pai dos times de terroristas e contra-terroristas mais famosos dos games.

E você, foi pego na iéié, pegadinha do Half-Life 3? Tem alguma história pra contar? Diz aí nos comentários.

Sobre Bruna

Nerd preguiçosa, pseudo metalhead, cristã, metida a jornalista, mas formada em publicidade. Faz-tudo, sofre-com-tudo, nunca-dorme-direito. Expert em virar criança com Pokémon e Saint Seiya.

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários :

Postar um comentário

Deixe seu recado! Mas lembre que spams, ofensas e comentários anônimos não serão aprovados.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.